Aceite os outros como eles são

Temos o péssimo hábito de depositar todas as nossas expectativas em cima das pessoas com quem convivemos. Fazemos tudo que está ao nosso alcance para agradar ou para ajudar as pessoas que gostamos, mas não aprendemos a fazer isso sem esperar algo em troca, nem que seja o reconhecimento e muitas vezes isso não acontece. Esquecemos que nenhum ato nosso deve ser baseado no que os outros vão pensar ou no que vamos conquistar em troca. Quando aprendemos a não esperar nada de ninguém, nos tornamos mais felizes.

Autodisciplina e alcance de metas

Entre todas as coisas que ouvimos desde que somos crianças, a cobrança para agirmos com disciplina sempre foi constate. Ela não vem somente aliada ao respeito, a ética e ao seguimento de regras, é colocada no conceito de tornar uma prática consistente e dessa forma ser uma ferramenta importante para a realização de metas e sonhos. A disciplina faz com que nossas atitudes sejam pautadas para conquistar alguma coisa que tem relevância e importância no nosso desenvolvimento pessoal e profissional.

Uma pausa para pensar e proteger

Um vírus desafiador colocou grande parte do mundo em isolamento social. Não dá para romantizar uma doença tão devastadora que matou muitos e aterrorizou milhares, que sacudiu a economia e estremeceu governos. Mas partindo da premissa de que a maioria das pessoas não sabe pausar e nem se preocupa muito com o bem estar do próximo, essa quarentena foi um choque de realidade, para repensarmos nossa trajetória nesse mundo e ressignificarmos a nossa maneira de ver o mundo e nossos semelhantes.

Para matar a sede da tradição

Ele faz parte de uma cultura e é marca registrada do sul do país. Talvez você tenha pensado no bom e velho churrasco, mas aqui estou falando do chimarrão. Uma cuia, erva-mate, bomba e água quente. Ele pode combinar com algum chazinho ou até mesmo um enfeite de cuia para criar um ar descontraído e dar um visual bonito. Mas antes de ser uma forma de tomar água ou de ter um leve descanso ao longo do dia de trabalho, o chimarrão tem o poder de integrar, de socializar e de unir, afinal ninguém é feliz tomando mate sozinho.

Não romantize a sobrecarga

A romantização tem sido muito debatida entre conversas na atualidade. Geralmente quando falamos nessa palavra, focamos especificamente em relacionamentos abusivos e esquecemos de tudo o que nos cerca e machuca. Fomos criados para ser fortes e executores de tarefas difíceis e desgastantes. Todo mundo considera um grande guerreiro quem sempre está cheio de trabalho e compromissos e julga que essa pessoa já alcançou o sucesso, mas ninguém olha a fundo, para perceber que essa pessoa não é feliz, é sobrecarregada.