Tornado: Como se proteger

O ano era 2020 e Santa Catarina se apavorou. Não foi apenas a pandemia que deixou estragos no território do estado, mas, como se a situação não estivesse complicada o suficiente, tornados voltaram a ligar céus e terras no Meio-Oeste e Norte catarinense. Diante do evento, conversamos com Leandro Flores Emmanuelli, Capitão do Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina para entender como agir quando um tornado se formar novamente na região.

O Decanter de Vênus

Não morrerei na forca, por pois mais que tenha sido minha mão a pôr fim a sua vida, não assumo a culpa desse crime tão brutal. Culpo o decanter de cristal.

Eventos literários e suas peculiaridades

Para mercado de eventos não é de praxe dizer que precisamos nos reinventar para garantir uma produção de sucesso e para atingir um público considerável. Não é diferente quando falamos do mercado de eventos literários que, mesmo com a situação das editoras nos últimos anos, não deixaram de se produzir e tiveram que usar desse princípio dos eventos para se sustentar. Com a crise das grandes redes de livrarias, editoras precisaram reinventar sua forma de venda e leitores de todos os cantos do país também acabaram mudando alguns hábitos.

Um livro especial

“Médico de Homens e de Almas”; sua autora, a escritora britânica Taylor Caldwell, pesquisou por longos anos a vida e as obras do padroeiro de médicos e pintores, São Lucas, que ela descreve de maneira romanceada e emocionante, plena de detalhes históricos. Sua narrativa inicia com um prólogo: “Este livro levou quarenta e seis anos a ser composto. Sua primeira versão, escrevi-a aos doze anos; a segunda, aos vinte e dois; a terceira, aos vinte e seis. A última começou há seis anos...”

Organize suas leituras

Muitas editoras disponibilizaram dezenas de livros gratuitamente durante a quarentena. Você também tem a sensação de que vai precisar de três vidas para ler tudo o que baixou? E mesmo agora que o comércio já voltou a funcionar, segue namorando aquele livro que queria comprar há algum tempo, ou aquele outro que te chamou atenção somente agora. Até no whatsapp a tentação pelo livro novo chega diariamente. E agora, como você vai ler tudo isso?


Vamos todos cantar de coração

Essa tal paixão não tem jeito, não tem explicação, melhor nem resistir. E ela se apresenta de variadas maneiras. Pode ser a paixão carna ou a desesperada, que leva o indivíduo a cometer loucuras. Pode ser a platônica, expressão criada para definir o amor essencialmente puro, que se fundamenta na virtude e é desprovido de paixões cegas, materiais, efêmeras.

O corpo fala

O nosso corpo fala. Nem sempre são necessárias palavras para que digamos aos que nos cercam como nos sentimentos referente a determinada situação, assunto ou até mesmo como é nosso posicionamento frente a algumas pessoas. Nosso corpo tem uma função muito importante nesse sentido e pode ser crucial entendermos a linguagem corporal das pessoas para melhorar nosso convívio social. Às vezes as pessoas precisam de ajuda e não conseguem pedir, ou querem compartilhar uma alegria, mas não sabem como falar. Esteja atento aos sinais.

Beatlemania

Na década de 1960, quando os Beatles surgiram, eu estudava no Ginásio Marista Frei Rogério, a Escola que me preparou para a Vida. O professor de inglês era o Irmão Léo e para fixarmos o aprendizado, ele usava letras de canções, como a música folclórica escocesa “My Bonnie”. Em ritmo de valsinha aprendemos a cantar sua letra, bem simples e repetitiva: “My Bonnie lies over theocean, My Bonnie lies over thesea. My Bonnie lies over theocean, oh bringback My Bonnie to me”.

Liliana - Um conto de Leonado Colle

Minha irmã mais nova, Jenny, está um porre ultimamente e isso tem me tirado do sério. Nós éramos muito próximas no passado, brincávamos, conversávamos, saíamos passear, mas fazemos mais nada disso desde que ela resolveu inventar uma amiga imaginária. Agora, Jenny só sabe falar da tal da Liliana. É Liliana para cá, Liliana para lá, Liliana, Liliana... Aaah, me deixa louca!

Os disquinhos de João de Barro

João de Barro, o Braguinha, emocionou a minha geração ao nos presentear com a Coleção Disquinho, lançada em 1960 e continua alegrando as crianças. Disquinhos de vinil super coloridos, com estorinhas baseadas em contos de fadas, fábulas, cultura popular, cantigas de roda , festas típicas e muita música. A meninada se deixava seduzir, especialmente com o tom colorido dos tais disquinhos: verde, amarelo, roxo, azul, vermelho, rosa... inesquecível! As músicas eram compostas ou adaptadas por ele, e os personagens interpretados nas vozes melodiosas de atores e atrizes da era do rádio e do Teatro Disquinho.