As tecnologias e a saúde visual


A revolução tecnológica tem trazido uma falsa sensação de conforto e uma aparente segurança no cotidiano das pessoas, porém ela não vem sozinha e como acontece com tudo o que é novo, os efeitos colaterais vão surgindo aos poucos à medida que a tecnologia vai se tornando mais disponível e mais utilizada pela população.

Hoje não vivemos mais sem celulares (Smartphones) e sem computadores. Toda nossa vida pessoal e profissional gira em torno dessa tecnologia, nesse cenário que surgem os sintomas visuais da vida moderna: Dor de cabeça, dor nos olhos e cansaço visual frequente.

Essa tecnologia acoplada ao nosso corpo também mudou nossos hábitos de vida. Ao acordar logo abrimos os olhos, que começam a captar a imagem do mundo ao nosso redor, ou melhor dizendo, “do celular ao nosso redor”. Saímos da cama vendo e-mails (já ultrapassados), grupos de WhatssApp, Instagran e Facebook, como robôs seguimos até a cozinha, hipnotizados pelos nossos “Gadgets” (tranqueiras, traduzindo do Inglês para o português). O café da manhã não é mais em família, até podendo ser, mas apenas em presença física, pois continuamos vidrados cada um no seu celular.

Chegando no trabalho, mais computador, durante o dia todo na maioria das vezes, mantendo nossos olhos focalizados para perto, como se o mundo 4 metros a nossa frente, não existisse. Durante o almoço, mantemos nossa atenção ao mundo de perto, tentando nos manter informados do mundo, ou trabalhando respondendo mensagens de WhatssApp que não foram respondidas no trabalho – o que também é uma mudança de hábito, pois o horário do almoço virou hora de “responder mensagens”. Logo após o almoço vem mais um turno de mundo de perto, em frente ao computador.

Finalmente chega o final do dia, vamos relaxar. Academia? Bicicleta? Caminhada? Ou ver whatassApp, instagran e Facebook. Provavelmente a segunda opção, procrastinando o resto das suas atividades necessárias para uma vida que valha a pena ser vivida. É chegada a tão esperada hora de dormir. É o momento de relaxar o corpo, respirar com mais calma, desconectar a mente da correria do dia. Opa, desculpem-me, achei que estava em 2001...

Atualizando: É chegada a tão esperada hora de dormir, pegamos o celular e relaxamos, vendo o que tem de legal nas redes sociais, ao invés deitar e relaxar de verdade, mantemo-nos focados nas “tranqueiras” até o sono vir, se é que ele vai chegar, afinal seu cérebro esta a mil com os diodos do LED de seu smartphone bombardeando sua retina e seu cérebro já esgotados.

A matemática portanto é simples: Se acordo as 6 horas da manhã e vou dormir as 23 horas, eu passei 17 horas do meu dia, focalizando meus olhos para perto, em um celular e/ou computador. Qual o resultado dessa equação algébrica simples? Voltamos então para a fisiologia dos olhos:

Ao olharmos para perto nossos olhos fazem 3 esforços intensos:

1) Convergência dos globos oculares para o mesmo ponto focal de perto;

2) Acomodação do cristalino (lente natural do olho) para perto, num processo de contração muscular do corpo ciliar;

3) Constrição pupilar pelo musculo esfíncter da pupila, para melhor focalização;

Ou seja, três ações musculares intensas, durante 17 horas do dia, praticamente ininterruptas. Isso equivale a você subir na esteira e correr por horas a fio, sem intervalo. As pernas não aguentam e nem os nossos olhos. Quer dizer que estou “forçando meus olhos” toda vez que fico olhando para perto? Então meus olhos e minha cabeça doem tanto no final do dia, porque estou judiando deles o tempo todo? Sim, agora acredito que você saiba a reposta.

Obviamente, como um clichê na medicina, forço-me a dizer que cada caso é um caso e você precisa sem duvida alguma procurar o oftalmologista de sua confiança para fazer uma avaliação na busca de outras causas de dores dos olhos e/ou dor de cabeça.

Mas há solução para isso, se eu me enquadrar nesse grupo de pessoas que não tem doença nos olhos, mas sim um uso excessivo dos olhos? A resposta, já esta na própria pergunta (uso excessivo dos olhos). Precisamos relaxar os olhos, desviar o foco para longe, devemos esquecer os celulares, que pior ainda, trazem outros danos aos olhos e a vida. Existe uma regra simples, que pode nos ajudar muito: “The TwentyRule” ou “Regra dos 20”:

A cada 20 minutos de focalização dos olhos para perto (até 70 centímetros de distancia), focalize por 20 segundos os olhos para longe, a 20 pés (6 metros) de distância. Isso fará um relaxamento de todo esforço de focalização de perto, melhorando e muito seus sintomas de cansaço visual. Outra dica é ver o mundo pelos seus olhos, sem necessidade de compartilhar tudo com todos. Ame e viva cada momento, eles ficarão na sua memória para sempre.

Ricardo Alexandre Stock,
Oftalmologista - CRM SC 9540 -RQE 6151
ricardostockreal@gmail.com


Matérias Relacionadas
COMENTÁRIOS