Poeme-se - Paulo Ricardo dos Santos


A poesia faz transcender. Ela é capaz de retratar sentimentos como ninguém. Eleva nosso nível de consciência e conecta razão e emoção. Buscando realizar novas conexões o Professor Universitário das áreas de Comunicação Social, Paulo Ricardo dos Santos, escreveu o livro “Grande momento pequeno momento grande”, onde em parceria com as ilustrações do irmão Matheus Bruschi dos Santos retrata situações cotidianas, trazendo reflexões necessárias, apontando para resoluções mais simples e emocionalmente fáceis. 

Como você despertou para escrever um livro de Poesias?

Lancei meu primeiro livro de poesias em 2013. Reuni diversos textos com sugestões de músicas para “ler ouvindo” e percebi que as pessoas gostam de textos que fazem refletir. Sempre gostei de escrever textos que puxam para uma reflexão mais cotidiana e apontam mecanismos de viver e conviver. Como tenho formação na área da comunicação, as palavras sempre me fascinaram, pelo simples fato de perceber como elas podem se transformar em imagens mentais e despertarem situações sinestésicas por parte de leitores. Vejo a leitura (e o conhecimento) como uma forma de libertação humana, aqueles que conseguem mergulhar de fato em um texto nunca mais compreenderão o mundo de uma forma neutra e superficial.

 

O que os leitores encontrarão na sua obra?

No início deste ano tive a grata satisfação de escrever meu segundo livro de poesias.  Para ampliar o imaginário e o entendimento dos textos, convidei meu irmão  Matheus, para que representasse os textos através de pinturas preto e branco no estilo aquarela. Dos 50 poemas do livro, cerca de metade deles tem um desenho correspondente, todos feitos a mão. Como este foi um livro que demoramos cerca de 3 anos para deixar pronto, do jeito que imaginávamos, acredito que os leitores poderão encontrar textos que fazem reflexões interessantes sobre o cotidiano.

 

Você teve dificuldades para escrever ou publicar?

A maior dificuldade que encontro para escrever e publicar textos artísticos está no fator “tempo”. Como sou professor universitário e sigo a carreira acadêmica, tenho diversas demandas científicas para publicar, além dos afazeres da profissão, então encontro tempo para escrever textos artísticos somente em finais de semana ou horas de folga, o que atualmente está sendo bem raro. Por outro lado, o fato de ser professor da Unoesc, me ajuda bastante pois a Universidade tem uma editora que sempre me apoiou em todas as publicações levadas a eles, aproveito esta oportunidade para agradecer a editora Unoesc por valorizar nossos talentos.

 

Que dicas você daria para quem deseja escrever um livro?

A dica principal é “comece”. Observo que às vezes as pessoas ficam muito presas pensando e planejando o que farão; com um livro tem que ser diferente, você deve começar a escrever e durante o processo novas ideias virão, novos horizontes surgem e novas portas se abrem. Outra dica importante é “não tenha pressa”. Em uma obra artística eu não tinha prazo, se lançasse em 2018, 2019 ou 2020 não faria diferença, então esta ociosidade temporal, nos traz benefícios criativos, e devemos aproveitar isso.

 

Podemos esperar outros lançamentos?

Sim, com certeza, mas sem pressa. Já estou escrevendo os textos para meu terceiro livro, só não posso precisar exatamente quando ele ficará pronto. Novamente escrevo sobre o cotidiano e sobre as minhas experiências de vida. Só o tempo dirá quais parcerias vou encontrar ao longo do caminho e em quais horizontes literários irei navegar. 


Matérias Relacionadas
COMENTÁRIOS