Um olhar para a história - Lauro Spohr


Você provavelmente não lembra de quem te batizou. Com certeza lembra de quem foi o celebrante do seu casamento e se já tiver filhos se recorda de quem os batizou ou crismou ou casou. Talvez você lembre de quem esteve lá em todos esses bons momentos: um religioso. Para reavivar a memória da comunidade sobre a presença dos padres na cidade, Pe. Lauro Spohr lançou seu novo livro Salvatorianos em Videira no último mês de dezembro.

 

Porque você decidiu escrever sobre os Padres Salvatorianos de Videira?

Eu queria registrar a presença dos Padres Salvatorianos, contando como foi a atuação de cada pároco. Isso é importante porque as pessoas, em geral, não lembram das obras de cada padre e seus feitos podem cair no esquecimento. Precisamos manter viva a memória de quem foi importante para cidade e esses padres fizeram muito pela população.

 

Que tipo de materiais você usou para encontrar essas informações?

Pesquisei nos livros Tombo da Paróquia Imaculada Conceição, pois é lá onde estão registradas todas as atividades dos padres e outros pontos importantes da vida comunidade.  Acho importante que as pessoas saibam como foi que os Salvatorianos chegaram aqui, quem atuava nessa região antes deles e quais foram as dificuldades da formação e manutenção da paróquia.

 

Existe algum caso curioso do livro que você possa nos contar?

Existem vários casos curiosos e até mesmo engraçados que aconteceram na paróquia. Posso citar em que um ladrão invadiu a Igreja Matriz e esqueceu a vela acesa sobre um dos bancos. Embora não tenha roubado nada, poria ter causado um grande incêndio! No livro também trago informações atuais sobre os párocos, na medida do possível, contando onde moram e o que fazem. Há uma passagem muito interessante, ainda sobre o início da instalação dos padres, que relembra de uma visita pastoral do Bispo Diocesano Dom Daniel Hostin, em Sede Etelvina, quando durante uma festa houve quatro mortes e um bandoleiro teve a corgem de usar o ombro do bispo como apoio para a pontaria! O Bispo ficou muito magoado e profetizou que o lugar nunca mais haveria de progredir, que, graças a Deus, não se concretizou.

 

Você teve dificuldades para escrever ou publicar?

Para escrever não, pois eu tinha acesso ao Livro Tombo para escrever o livro. Mas precisei de muita ajuda para pagar o livro. Os custos de impressão e editoração, com capa e correção, não são baixos e isso só foi possível através do trabalho das funcionárias da Paróquia e da comunidade. O lançamento na festa de Imaculada Conceição foi muito feliz, pois contamos com presença de muita gente e conseguimos reunir, ainda, um bom lucro para paróquia.

 

Podemos esperar outros lançamentos?

Provavelmente sim. Eu não tinha condições de editar este livro, mas tenho conteúdo para outros livros. Quem sabe, posso começar a contar outros pontos interessantes sobre a história dos padres em Videira e sua atuação.


Matérias Relacionadas
COMENTÁRIOS