Eneagrama: Na busca de um propósito


Uma tendência empresarial no que diz respeito ao campo das relações interpessoais despontou timidamente no mercado há cerca de uma década e tem ganho cada vez mais espaço no cenário das corporações, independente do contexto em que estão inseridas.

Foi-se o tempo em que pensamentos retrógrados e individualistas ditavam as regras e a visão empresarial, num processo extremamente mecanizado. É inegável que as novas tecnologias contribuíram no aceleramento dos processos, que as maquinas substituíram muitas mãos operarias, mas quando se apostava que o mundo caminha para um processo global e desumanizado, o viés dos relacionamentos começou a piscar numa real analogia ao que chamam de luz no fim do túnel.

Nesse novo panorama, aspectos como qualidade de produção e serviços e, até mesmo, a própria saúde financeira assumiram tons de coadjuvância. Isso porque, investidores e consumidores passaram a observar de forma latente o papel dessa corporação na sociedade. Atribuindo maior grau de relevância para aspectos como relacionamentos com os trabalhadores que emprega, com as comunidades em que atua, com os clientes que atende e com o meio ambiente onde está inserida. 

Quando essa nova tendência tomou forma o que se viu foi uma corrida frenética por respostas e por adequações. Ao encontro disso somaram-se indagações até então irrelevantes, por vezes impensadas. A maior delas com toda certeza foi e ainda tem sido, a ressignificação e até mesmo a busca, por algo simples, mas, em contrapartida, desafiador: o propósito.

Parece bobagem, entretanto, essa palavra quando dita ecoa como um afinador musical na cabeça daqueles que levam-se a questionar, seja você um empreendedor, um investidor ou um cliente em potencial. O fato é que não dá mais para fechar os olhos para o engajamento que tem se evidenciado nesta busca intrigante e desafiadora. Propósito tem a ver com energia, com vibração interior, com introspecção. Percepções simples podem auxiliar pessoas e empresas nessa jornada que envolve doses de autoconhecimento e preparo emocional.

Eis que surge uma bússola norteadora nesse caminho: o Eneagrama. Essa ferramenta tem ganho cada vez mais adeptos ao trazer uma gama de possibilidades capaz de levar o indivíduo a acessar, perceber sentir seu propósito. Correlacionando que ele está intrinsecamente ligado as potencialidades reais de cada individualidade ou organização.

Admitir que o propósito é responsável por mover as engrenagens da empresa: pessoas, processos e produtos, que é o norte verdadeiro, que é a chave mestra para quem pretende se manter nesse novo panorama empresarial, é uma tarefa árdua, mas com altos níveis de compensação.

Nesse contexto o Eneagrama tem aliado as pessoas a percorrer com avidez esse caminho. Estimulando reflexões e percepções que tornam o caminho mais fácil e a descoberta mais prazerosa. São doses de desafio diários que reconectam indivíduos e empresas. Afinal, o alimento do propósito da empresa precisa, necessariamente, estar alinhado ao propósito do indivíduo. Com aquilo que ele veio ao mundo do destinado a fazer melhor, com a sua contribuição ímpar para a sociedade.

Sendo assim, o processo de Eneagrama nos faz mergulhar num processo intenso e transformador que dará sentido às decisões e ações e também o melhor direcionamento das estratégias, atividades, produtos e o desenvolvimento das pessoas que colaboram com as organizações.

Diz aí: você já sabe qual é o seu propósito?


COMENTÁRIOS