O medo e suas variantes


 

Às vezes as pessoas que nós mais amamos é quem menos conhecemos, já dizia Belchior em sua célebre canção “É hora do almoço”. Nossos medos internos nos impedem de sermos transparentes e falar o que pensamos. E isso com pessoas da própria família; imagine então no mundo dos negócios!  Um indicador de maturidade é dizer o que pensa mesmo que isso tenha um custo. Claro que polidez cabe em todos os lugares. Nem tanto ao mar nem tanto a terra.  A origem dos nossos medos remonta priscas eras, mas basicamente pode-se catalogar alguns que convencionou-se chamar de nossos maiores medos. Napoleon Hill identificou 8 tipos de medo que fazem com que o ser humano perca a confiança em si mesmo :  

O primeiro é o medo da pobreza, de endividar-se, falir, ficar na miséria. 

O segundo é o medo da velhice, as doenças que vem com ela, da fraqueza, de ficar indefeso. 

O terceiro é o medo da crítica, de ser rejeitado. 

O quarto é o medo de perder o amor de alguém, o terror da solidão. 

O quinto é o medo da morte, do desconhecido. 

O sexto é o medo terrificante de insetos, que é medo daquilo que vem de baixo. 

O sétimo é o medo de altura, do sentir-se inseguro. 

E o oitavo é o terrível medo de falar em público, medo de expor-se. 

 

O medo só é positivo quando nos torna prudentes. Quando desperta o instinto de sobrevivência. O Medo ainda tem algum valor. A covardia, no entanto, não tem nenhum valor!

Nelson Mandela, primeiro presidente negro da África do sul, ficou 25 anos presos por lutar contra um regime separatista chamado Apartheid. Este homem, de dentro de uma cadeia,  liderou uma grande revolução e libertou o país desse grande pesadelo. Em seu discurso de posse como presidente, leu este texto sobre os nossos medos: 

"Nosso medo mais profundo não é de sermos inadequados.

Nosso medo mais profundo é de sermos poderosos muito além de toda medida.

É nossa luz, e não nossa escuridão, que nos assusta.

Perguntamos a nós mesmos: “Quem sou para ser brilhante, formoso, talentoso, extraordinário”? 

Na verdade, é esta pergunta que devemos formular: “Quem és tu para acreditar que não és tudo isso”? Tu és filho de DEUS.Tua pequenez de nada serve ao mundo.

Não é um ato iluminado te diminuíres para que os outros não se sintam inseguros ao teu lado. Nasceste para manifestar a Glória Divina que existe dentro de todos nós.

Essa Glória não está apenas em alguns de nós; Ela está em cada um de nós.

E quando permitimos que nossa luz brilhe, subconscientemente damos permissão aos 

outros para fazer o mesmo. Quando nos libertamos do nosso medo, nossa presença automaticamente libertam os outros."

 

Lembre-se a coragem não é a ausência de medo. A coragem é enfrentar os medos. 

A coragem não é um milagre. É um hábito. O medo não é realidade, e sim um mau  hábito. Qual é a sua escolha ?

 

Jamil Albuquerque

Instrutor MASTER MIND e autor do livro A arte de lidar com pessoas 

Site : www.mastermindbr.com


Matérias Relacionadas
COMENTÁRIOS