Editorial - De máscara no vento


Em todos os finais de ano ficamos saudosistas. Não adianta nem tentar se proteger, pois o impulso de olhar para trás e fazer um balanço, mesmo que singelo, é irrefreável. Em 2020, o que mais senti falta foi do vento no rosto. Entendo que senti falta do frescor suave do vento acariciando minha pele coberta pela máscara que invariavelmente esquenta. Além disso, tivemos um ano quente, com poucos dias de frio intenso, mesmo que já seja dezembro e ainda não tenhamos guardado completamente as blusas no armário.

Também foi nesse ano que os ventos assustaram e prejudicaram parte da população catarinense. O vento que me causa saudades foi elevado a tal potência que deixou um rastro de destruição. Na época, enquanto diversos grupos participavam ativamente da reconstrução de residências e de cidades, nós tiramos um tempo para pensar e programamos uma edição que falasse sobre o clima. Empresas e climas têm uma certa relação no quesito previsibilidade: enquanto administradores analisam dados, tendências e variações internas e externas para projetar planos de ação para cenários favoráveis e desfavoráveis, especialistas de diversas áreas analisam dados, tendências e variações para projetar estratégias e planos de ação para orientar a população. A diferença é a escala. Em uma escala reduzida, decidimos falar sobre o clima e apresentamos dicas de proteção contra os tornados na Edição 100 como uma forma de preparar o assunto para a edição atual.

Vamos falar sobre o clima. Esse clima que muda conforme se altera a nossa relação com o espaço. Um clima que se adapta da mesma forma que nós nos adaptamos a ele, pois coabitamos um único planeta. Não existe clima indissociável dos seres humanos, embora ele não precise de nós. Não existe meio ambiente distante da sociedade ou da economia. Não existe, por enquanto, humanos sem o planeta Terra. Por isso, trazemos uma matéria que foi fruto de uma longa entrevista com o professor Lindberg Nascimento Junior, professor do curso de Geografia e do Programa de Pós-Graduação em Desastres Naturais da UFSC.

Além disso, nossos queridos jornalistas apresentam matérias sobre o Canvas, dicas de carreira para depois dos 60 anos, os benefícios dos óleos essenciais, o retrato da leitura no Brasil, um estímulo para você começar a fazer trabalhos manuais e muito mais. Esperamos que você goste dessa edição tanto quanto nós gostamos de fazer.

Boas festas! 

 

 


COMENTÁRIOS