Casas astrológicas: você sabe o que são?


As casas astrológicas são áreas de atuação das nossas características dentro do mapa astral. Elas são o resultado de um cálculo que leva em consideração a localização exata do nascimento de uma pessoa. No entanto, é importante ressaltar que as casas não têm o poder de movimentar trajetórias, apenas contam com a força dos astros para evidenciar alguns traços da nossa personalidade.Temos 12 casas astrológicas, uma para cada aspecto da nossa vida. Você sabe o que cada uma delas significa?

Não precisa conhecer muito sobre signos para saber que Gêmeos é o rei da comunicação no zodíaco. Mas, se você conhece um geminiano muito reservado e não consegue entender bem o porquê, saiba que a explicação pode estar nas casas astrológicas, divisões do mapa astral que tratam de diferentes áreas da nossa vida, desde a forma como criamos vínculos com as pessoas até inclinações profissionais. 

Segundo o astrólogo Sandesh Ferrari, os signos são o como e as casas o onde. “Sentimento de raiva, de preguiça, de curiosidade, de autoestima, etc., são os signos. Se isso aparece na família, no casamento, no trabalho ou com os amigos... Isso são as casas.”, explica.Segundo ele, enquanto os signos têm sua origem no espaço cósmico, as casas têm sua expressão aqui na Terra, no mundo imediatamente em torno do indivíduo. Daí a importância de entender o significado de cada uma delas.

As casas astrológicas são divididas em três grupos distintos que são divididos considerando a posição de cada uma delas no mapa:

Casas angulares: tratam de assuntos que recebem muito mais de nossa energia, e planetas ali localizados atuam com mais força em nossa vida. Sendo assim, tudo que aparece nessas casas costuma ser visto com uma lente de aumento. Isso porque elas definem o quem, o quê, o porquê e o como somos. São as casas 1 (ascendente), 4 (família), 7 (relacionamentos) e 10 (vocação).

Sucedentes: como o próprio nome sugere, elas vêm depois das casas angulares. Representam o desenvolvimento pessoal e definem os valores e instrumentos necessários para essa evolução. Estas casas têm um peso menor do que as angulares, mas ainda influenciam bastante no mapa. São as casas 2 (dinheiro), 5 (prazer), 8 (transformações) e 11 (amizades).

Cadentes: tratam do nosso movimento de interação com o todo. Porém, pela sua posição no mapa, elas têm menor influência dos astros e estão mais distantes da nossa identidade particular. Por isso, também têm peso menor na influência que exercem. São as casas 3 (comunicação), 6 (hábitos), 9 (expansão de consciência) e 12 (missão).

Alguns astrólogos dizem que casas vazias têm mais livre árbitro e casas com planetas têm mais destino. Mas não há um consenso entre eles sobre esse tema. “Alguns acreditam que tudo é destino e que vivemos aquilo que estávamos programados para viver. Outros dizem que tudo é livre arbítrio e que os astros só inclinam, convidam, mas, em última análise, sempre é nossa escolha. E tem aqueles que acreditam em uma combinação dos dois”, explica Sandesh.

É importante lembrar que, na interpretação de toda casa, é preciso não só analisar o signo em que ela está, como também onde está o planeta regente desse signo.Por isso, a ajuda de um bom astrólogo é fundamental na interpretação correta do mapa.

casas

Significado das casas astrológicas

Casa 1: Ascendente
É como você se mostra para o mundo. 

Casa 2: Dinheiro e bens móveis
É a casa das finanças e mostra como você lida com o dinheiro – não só como ganha, mas também como gasta. Essa casa também indica quais métodos e caminhos tendemos a seguir para alcançar a estabilidade financeira.

Casa 3: Comunicação e sociabilidade
Quer saber se uma pessoa é mais tímida ou se faz amigos com facilidade? Então, é para a casa 3 que você deve olhar! É aqui que está a forma de expressão de cada um e também o jeito como adquirimos e compartilhamos conhecimentos (não profundos).

Casa 4: Família (Fundo do Céu)
Esta casa é conhecida como “fundo do céu” e diz muito sobre nosso passado. Aqui estão nossas bases e raízes familiares. Fala do tipo de local onde nos sentimos “em casa” e do nosso lar – desde a nossa primeira casa, com nossos pais, até a forma como lidamos com esse conceito quando adultos.

Casa 5: Prazer
Namoro, filhos, lazer, festas... Tudo isso está diretamente sob a influência da casa 5. Também é uma casa muito relacionada à criatividade, à autoestima e à sexualidade. Os namoros tratados na casa 5 são mais superficiais.

Casa 6: Hábitos, trabalho e saúde
Mostra o tipo de carreira profissional mais indicada para você e, ao mesmo tempo, indica que tipo de problemas de saúde você teria maior probabilidade de desenvolver. Fora isso, a casa 6 também mostra se somos mais sistemáticos em nossas rotinas e hábitos ou não.

Casa 7: Relacionamentos e parcerias (Descendente)
Se na casa 5 falamos de relacionamentos mais informais, é a casa 7 que influencia nossas relações de parceria mais profundas, sejam amorosas ou profissionais. É a casa do descendente, signo oposto ao ascendente. Ou seja: enquanto o ascendente é a forma como nos mostramos para o mundo, o descendente define o que buscamos no outro em nossas relações.

Casa 8: Transformações
É a casa que trata de temas tabus: para alguns a morte, para outros sexo, fé, segredos e intimidades. Fala das mudanças e reviravoltas que passamos na vida e, principalmente, mostra a forma como lidamos com elas. Trata também de heranças, sejam financeiras ou psíquicas.

Casa 9: Filosofia e expansão de consciência
Enquanto na casa 3 falamos de conhecimentos em geral, aquitratamos especificamente de assuntos mais profundos, como filosofia e religião. É a casa da expansão de consciência e do nosso potencial mais elevado. Fala também de viagens e nossa ligação com países estrangeiros.

Casa 10: Vocação (Meio do Céu)
Oposta à casa 4, que fala do nosso passado, a casa 10 fala para onde estamos indo. É chamada de “meio do céu” e é uma das mais importantes do mapa, pois ajuda a compreender melhor nosso propósito de vida. Representa a imagem pública, a profissão e o reconhecimento.

Casa 11: Amizades e grupos
Esta casa vai mostrar que tipo de amizades você busca. É a casa que fala do tipo de grupos dos quais fazemos parte e da nossa sensação de pertencimento nos círculos sociais que frequentamos. Aqui vemos o nível de facilidade ou dificuldade que temos em fazer amigos e trabalhar em equipe.

Casa 12: Missão e espiritualidade
É a casa da nossa missão e da forma como lidamos com a nossa espiritualidade. Está relacionada ao inconsciente, à nossa saúde mental e a tudo que gera reflexões em nossa vida. Representa coisas que precisamos aceitar. Por isso, pode ser considerada a casa do karma.

 

Ligia Rabay
li.rabay@gmail.com

 


COMENTÁRIOS