O nome da inseminação 4.0


Dezoito anos separam Jeferson Rodrigo Gatti do início da carreira ao ponto onde sua startup desponta no cenário nacional da inovação. Engenheiro Mecânico e Mestre em Ciência e Biotecnologia, Jeferson é o criador da B.tools, uma startup que se tornou referência na Inseminação Artificial de Precisão no país e em breve deve ganhar o exterior. Em entrevista à Êxito, Jeferson fala da sua trajetória e fornece grandes dicas para quem deseja pensar em inovação. 

Fale brevemente sobre a sua trajetória empresarial.

Desde os 18 anos trabalho com manutenção de eletrodomésticos na Refrigatti e também com a manutenção de equipamentos voltados à inseminação artificial. Comecei a ter contato direto com as dificuldades e problemas que os profissionais da área veterinária tinham com relação à inseminação artificial, bem como as perdas do processo. Mas naquele momento, por diversas questões, eu não podia nem mesmo entrar na graduação. Entrei na universidade aos 26 anos para cursar engenharia mecânica com todo apoio da família e principalmente da minha esposa, fazendo o percurso de quase 3 horas de van diariamente para estudar. Meu fascínio por resolver problemas e inventar soluções ganhou força com a graduação, pois descobri que poderia fazer mais pelos suinocultores e seu ecossistema usando minha criatividade e investigando os problemas que ocorriam no processo de inseminação artificial em suínos.

No ano de 2011 apresentei minhas ideias pela primeira vez para uma banca de professores e para minha decepção não obtive sua aprovação para transformar aqueles desejos em um projeto de pesquisa. Mesmo com a votação sendo unânime, ao final da banca, o professor João Bagetti me disse que se eu acreditasse na ideia já seria o suficiente e me estimulou a montar um projeto, pois se eu era louco o suficiente para tentar, ele também seria louco o suficiente para me ajudar. Esse foi um divisor de águas na minha vida! Passei um ano estudando biologia celular e termodinâmica para adequar minha ideia à metodologia científica. Nesse meio tempo, meu filho nasceu, motivação extra para continuar.

Em 2012, meu projeto foi aprovado na universidade e me tornei bolsista. Por não ter tempo para estudar, aprendi a estudar dentro da van durante o trajeto para a Universidade, a oportunidade exigiu que eu dominasse minhas fraquezas para dar conta de trabalhar ao longo do dia e estudar à noite para as provas, disciplinas e mais a pesquisa. Assim, em 2014 defendi meu projeto no Congresso Brasileiro de Medicina Veterinária e meu trabalho ficou entre os 40 melhores do Brasil na categoria Reprodução Animal. Apresentei alguns protótipos construídos em um pequeno depósito com sucata de eletrodomésticos na empresa onde trabalhava, criado quando sobrava tempo entre um atendimento e outro, nos finais de semana, depois de voltar da faculdade e madrugada a dentro, a fim de atender o prazo da pesquisa.

 

Como o projeto ganhou forças?

Ganhei o Sinapse da Inovação em 2015, concorrendo com mais de 1.700 empresas e consegui validar a tecnologia in vitro. Com o prêmio e com o apoio da pré-incubadora da universidade, pude transformar esse produto fruto da pesquisa em um negócio de fato. Assim nasceu a B.tools, que foi finalista do Prêmio EmTech Brasil promovido pelo MIT (Massachusetts Institute of Technology), um dos maiores institutos de tecnologia do mundo, nos EUA. Também fomos indicados como uma das 100 melhores startups para se investir no Brasil em 2015 e 2016, quando também fui contemplado com uma bolsa de estudos para o Mestrado e demos início ao projeto de validação dessa tecnologia com os animais em campo. No ano seguinte fui uma das 10 empresas brasileiras escolhidas para participar do Swissnex Brazil, uma parceria entre Brasil e Suíça voltado ao desenvolvimento de novas tecnologias e inovação. Já em 2018, com a conclusão do Mestrado, a B.tools foi indicada pelo próprio MIT como uma das tecnologias emergentes do mundo e fui finalista do Prêmio latino-americano Innovators Under 35 LATAM. Neste ano também fomos um dos ganhadores nacionais do Prêmio InovaPork promovido pela EMBRAPA e estamos classificados como finalistas do Prêmio Pontes para Inovação, com investidores de nível nacional.

Podemos dizer que nos tornamos uma referência em Inseminação Artificial de Precisão e estamos despontando a Inseminação 4.0, já que essa tecnologia permite potencializar o comportamento das células espermáticas na inseminação artificial de suínos, aumentando o número de animais nascidos, com monitoramento e controle em tempo real na palma da mão.

 

Como vocês organizam o trabalho em equipe na startup? 

O conceito de startup é um pouco diferente das empresas que conhecemos ou de uma micro e pequena empresa. Startup é um negócio de tecnologia, escalável e também que tenha um alto risco. Normalmente os sócios ou colaboradores não são remunerados por um bom tempo, pois o tempo de retorno pode demorar. Veja, mesmo que a B.tools tenha conseguido tudo isso, também é importante que eu continue trabalhando em outras áreas. Hoje, também atuo na área de climatização e desenvolvimento de planos de manutenção, operação e controle (PMOC), inspeção e laudos para ambientes climatizados. 

Uma característica muito comum das startups é a junção de conhecimentos e a liberdade que a equipe tem para trabalhar e buscar a inovação. Não é por acaso que muitas empresas tradicionais acabam comprando tecnologia de startups ou até se tornando sócios para poder acelerar a competitividade em seus ramos de atuação. No que se refere à metodologia organizacional, antes da aplicação de uma ferramenta, é preciso conhecer bem o negócio e ter o domínio de todas as métricas que envolvem o produto e o modelo de negócio.

 

O que é preciso observar ao criar uma startup?

Não existe regra, o mais importante é que o empreendedor tem que acreditar no que está fazendo e buscar informações para descobrir se o negócio que pretende montar, realmente se encaixa como startup. Desta forma ele vai trilhar o caminho que condiz com o sucesso do seu empreendimento. Um caminho quando se quer empreender é buscar a universidade, pré-incubadora, Centro de Inovação, como o que teremos em breve em Videira, assim com os profissionais especializados em cada área. Precisa buscar validar a ideia, fazer um plano de negócios e buscar parcerias, pois o sucesso pode estar relacionado ao simples fato de buscar auxílio quando se tem a ideia para aumentar a possibilidade de se tornar um empreendimento de sucesso. Acredito que isso seja válido para qualquer projeto de empreendedorismo, sendo ou não uma startup. 

 

Quais são os caminhos para onde apontam a inovação no mercado mundial e brasileiro?

O mundo caminha para uma realidade onde tudo estará conectado a todos e a Inteligência Artificial transformará empresas e profissionais. Estudos mostram que em menos de 20 anos cerca de 40% das profissões de hoje não existirão. Hoje, 65% das crianças da 1ª série do Ensino Fundamental irão trabalhar em profissões que ainda não existem. Logo, o sucesso dos profissionais virá da capacidade de aprender, desaprender e aprender novamente, tudo isso em curto espaço de tempo. As empresas que não se adaptarem serão engolidas pelo surgimento de outras de menor tamanho ou startups, como o caso da Netflix que mudou o mercado de filmes no mundo, e um dia foi uma startup. Empresas que querem se manter na frente devem buscar se reinventar. O planejamento estratégico para 5 anos é muito longo, empresas famosas fazem planejamentos dinâmicos de seis meses. Uma coisa aprendi e como dizia William Shakespeare: “As oportunidades nunca são perdidas, alguém sempre irá aproveitar as que você perdeu”.


Matérias Relacionadas
COMENTÁRIOS