Liliana - Um conto de Leonado Colle


Minha irmã mais nova, Jenny, está um porre ultimamente e isso tem me tirado do sério. Nós éramos muito próximas no passado, brincávamos, conversávamos, saíamos passear, mas fazemos mais nada disso desde que ela resolveu inventar uma amiga imaginária. Agora, Jenny só sabe falar da tal da Liliana. É Liliana para cá, Liliana para lá, Liliana, Liliana... Aaah, me deixa louca! 

Por conta dessa Liliana, tenho um certo prazer em incomodar minha irmã e ser chata com ela. Comecei a implicar com ela e fazer piada com sua cara e com sua amiga imaginária, que ela jura que é real. Como poderia alguém entrar na nossa casa sem ninguém perceber e ir até o quarto dela brincar?

Bom, o estranho é que quando ela está lá, fechada em seu quarto, dá para ouvir que conversa com alguém, dá risada, conta histórias... De fato, é como se tivesse alguém junto dela. Mas acontece que não tem! Isso que ela não entende, não existe nenhuma Liliana, é tudo imaginação! E isso ficou mais claro ainda quando uma vez resolvi falar sobre a Liliana... Foi mais ou menos assim: 

- Jenny, então me diz como é essa Liliana... É bonita ao menos?

Ela me olhou de canto e baixou o rosto.

- Ela... – começou ela, parecendo confusa – Eu não sei... A Liliana não tem rosto, sabe?

Isso foi demais para mim! Além de tudo a criatura não tem rosto.

A Jenny não sabe como me irrita com essa imaturidade. Mas tudo bem, vou te fazer sentir um pouco do gosto do próprio remédio. Ela diz que a Liliana mora embaixo da cama dela, então, pretendo dar-lhe um belo susto hoje à noite. Ela vai ver!

Quando Jenny foi escovar os dentes, me escondi em baixo da cama e comecei a falar logo que ela apagou a luz para dormir. 

- Jenny... Jenny... Sou eu, sua amiga... Vamos nos divertir um pouco... 

- Hoje não, Liliana, estou cansada.

Eu não podia acreditar! Ela precisava entender que não se pode inventar coisas assim e que a Liliana não é real. Continuei.

- Jenny... Jenny... Levanta-se e vamos brincar... Eu quero te ver Jenny...

Estava até divertido tentar assustar ela, mas de repente tudo mudou. Senti uma presença ao meu redor e percebi que não devia estar ali. Meu sangue congelou quando ouvi um sussurro em meu ouvido. 

- Ela disse que hoje não.

Leonardo Colle


Matérias Relacionadas
COMENTÁRIOS