Sucesso em mercado de nicho - Ricardo Vanz


Mais de quatro décadas compõem a vida empresarial de Ricardo Vanz. De office boy a CEO da Castelo Representações Comerciais e proprietário do Castelo Boutique Hotel, Ricardo é a prova de que a aplicação de todo aprendizado que teve durante a carreira e uma boa visão de negócios são indispensáveis para crescer. Em entrevista à Êxito, o empresário relembra sua trajetória e situa o leitor sobre os próximos passos de seus empreendimentos.

 

Êxito: Fale brevemente sobre a sua trajetória empresarial.

Ricardo: Comecei minha carreira profissional aos 14 anos como office boy e nos três anos que permaneci na função tive a oportunidade de aprender muito sobre RH, caixa e contabilidade. Isso permitiu que eu passasse a atuar no Grupo VF, onde permaneci por 28 anos indo de auxiliar de escritório a diretor. Durante todos esses anos, tive experiências com as áreas de RH, Custos, Contábil, Informática, Indústria, Paking House, Vendas e também Gestão de Pomares. Entretanto, em 2009 decidi que era hora de mudar. Durante três meses trabalhei com minha esposa voluntariamente no Red Cross War Memorial Children's Hospital, em Cidade do Cabo, na África do Sul, de onde voltamos com a energia renovada para buscar novos desafios.

Êxito: Como a Castelo Representações Comerciais passou a fazer parte da sua vida?

Ricardo: Depois dessa experiência impactante em 2009, decidi iniciar uma nova fase. Apliquei os conhecimentos adquiridos e utilizei os contatos que tinha no setor da maçã para dar origem a uma empresa de representação comercial capaz de ligar o campo ao mercado. Sempre considerei isso importante para a agroindústria! Na época, construí um planejamento estratégico em conjunto com a minha equipe imaginando que nossa atuação seria restrita à maçã e representaríamos produtores que produzissem coletivamente em torno de 50.000 toneladas. Acabamos colhendo mais frutos do que planejamos, literalmente. Hoje temos escritórios em Fraiburgo (SC), São Joaquim (SC), Vacaria (RS) e Caxias (RS), ampliamos nossa área de atuação e negociamos outras frutas, legumes e verduras em um volume de mais de 180.000 toneladas por ano.

Êxito: Que desafios permearam a história da empresa?

Ricardo: O maior desafio foi ganhar a confiança dos produtores, considerando que eles colocam em nossas mãos o resultado de um ano todo de trabalho. Isso significa que devemos atuar com o máximo de credibilidade de ponta a ponta. Outro desafio perpassa a contratação e formação de profissionais que se identifiquem com nossa filosofia de trabalho. Nosso sistema de vendas prima pela agilidade e comprometimento na busca pelo melhor resultado para o produtor.

Êxito: E o turismo de hospedagem entrou na sua trajetória empresarial de que forma?

Ricardo: Em 2015 meus filhos, Elisa e Daniel, iniciaram um projeto de casas de aluguel (lofts) para temporada no litoral catarinense, em Garopaba (SC). Eu acredito que o turismo vem se consolidando como uma grande fonte de geração de emprego e renda, pois a tendência global é de conhecer novos lugares, suas histórias e particularidades, com um bom atendimento e uma gastronomia afetiva. É isso o que muitos turistas espera em suas viagens. Observando como um investidor, esse setor é bastante promissor e o sucesso dos meus filhos nos fez reavaliar a utilização do tradicional Castelinho de Fraiburgo, que até o momento era utilizado como moradia. Nosso objetivo foi transformá-lo em um Hotel Boutique para atender esse turista mais exigente que busca por uma experiência diferenciada em uma cidade encantadora e cheia de charme como é Fraiburgo.

Êxito: O que o público pode esperar aqui na região e no litoral?

Ricardo: Na região de Fraiburgo, o Castelo Boutique Hotel se constitui como “um pedacinho da Europa em Fraiburgo”. É um hotel repleto de charme, focado em atendimento personalizado para proporcionar uma experiência única aos hóspedes. Nossa estrutura é bem diferenciada: contamos com uma releitura do Lago de Monet, uma réplica da Casa de Julieta de Verona, na Itália, uma piscina aquecida e coberta em estilo gótico e com o castelinho em estilo francês da região da Normandia. É um refúgio romântico para sair da rotina e desfrutar de um local aconchegante e acolhedor, coroada com a oportunidade de desfrutar e conhecer uma edificação histórica totalmente adaptada para melhor atender.

Já no litoral, em Garopaba, temos oito lofts próximo ao mar, cercados por áreas verdes, como um convite para a paz e o sossego. Cada um deles foi decorado e cuidado com carinho para que cada detalhe tivesse a função de deixar a estadia o mais prazerosa possível. Com um deck com vista para o mar, mata nativa, dunas e um pôr do sol de tirar o fôlego, o que mais precisamos para relaxar?

Êxito: O que define o sucesso de uma empresa?

Ricardo: O sucesso é quando você atinge ou supera seu planejamento. Digo isso não apenas do ponto de vista financeiro, mas igualmente nas metas da equipe, formação profissional individual e dos colaboradores, na perspectiva de evolução futura da empresa e das pessoas. Nossa empresa superou muito o que planejamos e estou convicto de que somos um case de sucesso. Acredito que toda companhia só atingirá o sucesso quando perceber que precisa evoluir constantemente. Engana-se quem imagina que vai chegar a um determinado patamar e conseguir estacionar de vez, pois esse é o caminho para a estagnação. Todos os colaboradores precisam se engajar com o crescimento do negócio e ver nessa escalada o caminho para a sua autorrealização. 

Êxito: Que dicas você daria para quem está iniciando a carreira empresarial?

Ricardo: Para quem pensa em iniciar um negócio, o primeiro a fazer é escolher algo com que se identifique, que goste de fazer, que instigue paixão. Essa percepção vem antes de decidir onde aplicar seus recursos financeiros e seu tempo. Parece clichê, mas a realidade é que você dificilmente vai conseguir dedicar seu tempo útil para algo que não dê prazer ou não te deixe realizado. Ainda antes de entrar em operação, deve-se fazer um planejamento detalhado para que quando a atividade comece seja possível estabelecer um sistema de acompanhamento minucioso e também se tenha clareza de quais serão os próximos passos. É claro que os planejamentos podem ser modificados e devem ser alterados para se adaptar aos fatores externos que não temos como controlar, mas antes de mudar você deve saber em que direção iria caso a mudança não fosse necessária, não é? Periodicamente, deve-se refazer o planejamento estratégico do negócio para responder ao menos duas questões: “onde estamos?” e “para onde vamos?”. Acredito que esses são ingredientes que contribuem muito para que o novo empreendimento tenha êxito no futuro.

 


Matérias Relacionadas
COMENTÁRIOS