Tornado: Como se proteger


O ano era 2020 e Santa Catarina se apavorou. Não foi apenas a pandemia que deixou estragos no território do estado, mas, como se a situação não estivesse complicada o suficiente, tornados voltaram a ligar céus e terras no Meio-Oeste e Norte catarinense. Diante do evento, conversamos com Leandro Flores Emmanuelli, Capitão do Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina para entender como agir quando um tornado se formar novamente na região.

 

Os tornados são comuns na região?

Estamos no corredor dos tornados na América do Sul, o que torna mais suscetível a sua ocorrência. Em 2020 já ocorreram três fenômenos desse tipo, sendo o último no mês de agosto em Água Doce. Mas o que é comum, de fato, são fortes temporais que não se enquadram na denominação de tornados. São os populares temporais, tormentas, etc.

 

Por que vemos tantas destruições nas residências quando há fortes chuvas e ventos?

É difícil dar uma resposta direta, pois há um incontável número de variáveis que podem estar envolvidas. De modo geral, trata-se basicamente do padrão construtivo, ou seja, residências que não são projetadas para suportar ventos com tamanha velocidade. Isso acontece por várias razões, mas podemos citar a falta de beirais em telhados ou uma amarração inadequada das telhas como motivos para os principais prejuízos.

 

Quando ocorrer alguma avaria na casa durante uma tempestade, o que as pessoas devem fazer para se proteger e evitar outros danos?

Primeiramente, evitar o contato com cabos ou redes elétricas caídas. Jamais se deve subir no telhado durante ou logo após a chuva – não apenas porque estará escorregadio, mas porque a sua resistência estará afetada pela umidade. Se houver algum ferido, acionar imediatamente o Corpo de Bombeiros Militar. Também é muito importante não utilizar os serviços hospitalares ou de comunicações a não ser que seja realmente necessário. Deixe os serviços disponíveis para casos de emergência.

 

E se a pessoa não estiver em casa? Parar o carro é uma boa alternativa?

Sim, é uma boa alternativa se houver um local seguro, longe de fiação elétrica, postes, outdoors, etc. Nunca pare o carro sobre a via! Nunca mesmo! Agora, sair pode ser perigoso? Também pode ser perigoso. Vamos recordar que recentemente o caminhão que foi derrubado pela força do vento em Tangará com o motorista dentro. Se ele saísse do veículo provavelmente teria sido arrastado pelo vento e teria consequências gravíssimas. Outras recomendações para observar durante as tempestades é evitar a prática esportiva ao ar livre, especialmente aquelas influenciadas pelos ventos; evitar empinar pipas, evitar ficar próximo de precipícios, encostas ou lugares altos sem proteção; evitar transitar próximo de fiações elétricas; ao passar pelas avenidas, evitar passar sob cabos elétricos, outdoors, andaimes, escadas, entre outras estruturas que não transmitam segurança; Não estacionar veículos próximo a torres de transmissão e placas de propagandas; não se abrigar abaixo de árvores ou de frágeis coberturas metálicas.

 

E diante de tornados?

A melhor proteção individual é ir para um abrigo subterrâneo como um porão. Isso porque o efeito de sucção dos tornados só ocorre a partir da superfície do solo. Se a sua residência não tem porão, fique no corredor interno, deitado no chão (no piso mais inferior), debaixo de uma peça de mobiliário resistente ou de um colchão. Se for surpreendido por um tornado fora de casa, deite-se em uma vala ou depressão do terreno que estiver fora da estrada, longe de postes, árvores ou muros. Não tente fugir do tornado de automóvel. Se houver um local seguro para se abrigar, saia imediatamente do veículo.

 

Para mais informações: Defesa Civil - SC

https://www.defesacivil.sc.gov.br/


Matérias Relacionadas
COMENTÁRIOS