Passei dos 60. O que será da minha carreira?


Há alguns anos a Êxito publicou uma matéria falando sobre pessoas que continuaram trabalhando, mesmo depois da aposentadoria. Eram pessoas incríveis, que viam o ato de ficar em casa, teoricamente sem ter o que fazer, como algo aterrorizante. O terror de olhar para uma casa vazia vem muito menos do ambiente — o problema é a ideia da perda de utilidade. E se sentir útil, no mundo atual, tem muito a ver com a autonomia e a produtividade.

 

Pessoas de qualquer idade estão sujeitas a uma espécie de ansiedade quando se sentem pouco produtivas, ou quando não exercem um trabalho remunerado. Fazer um trabalho e um trabalho digno, aos olhos de muitos, significa receber um valor em troca em forma de salário ou de um pagamento por contrato. Afinal, se não haverá remuneração, de quê adianta o esforço e a dedicação se as contas continuam a chegar?

 

Quando se é jovem fica mais fácil abrir mão desse ou daquele sonho para dar conta das obrigações diárias. O idealismo da adolescência e da vida de um jovem adulto passa a ser paulatinamente substituído pela certeza de que, antes de conseguir fazer aquilo que se deseja, é preciso estar vivo e saudável. Por isso, aceitamos a condição de trabalhar mais, fazer um turno extra, ter dois empregos, aceitar um trabalho como freelance, emendar uma faxina na outra, com a certeza de que o resultado ainda vai valer a pena e que um dia chegaremos lá.

 

Só que a gente pensa que esse dia demora. Apesar de algumas vezes acreditarmos que ainda temos muito tempo para viver, e apesar de outras vezes acharmos que a demora é um pouco maior do que gostaríamos, o dia em que conseguiremos realizar aquilo que desejamos está muito mais perto do que pensamos ser possível. Veja só, com os anos passando tão depressa, logo seus filhos devem concluir o Ensino Fundamental e se preparar para o Ensino Médio. Logo, eles também sairão de casa ou terão seus próprios problemas para lidar com a sua ajuda. Logo, você vai olhar no espelho e se parabenizar pelos 50 anos, ou pelos 60 ou 70 anos. Não é tão longe assim.

 

E se não está tão longe (ou se já chegou) e você é uma daquelas pessoas que consegue viver sem um trabalho produtivo e rentável, esse pode ser um ótimo momento para planejar a sua volta por cima para chegar lá.

 

Repense a sua carreira

 

O ano de 2020 não foi um ano para esquecer. Pelo contrário, ele foi um ano para lembrar muito bem. Foi nesse ano que a vida digital deu um salto e você pode usar isso a seu favor. Muitas pessoas com mais de 50 anos, que se sentiam intimidadas com a tecnologia, precisaram aprender o básico para enfrentar a pandemia e a quarentena. Isso quer dizer que aprenderam, ao menos, a fazer videochamadas, usar uma rede social e quem sabe até assistiram a alguma live. Embora esse aprendizado tenha ocorrido para uma grande parcela da população, o impacto para os idosos foi bastante positivo. 

 

Uma das preocupações da área da saúde com a pandemia foi a manutenção da saúde mental dos idosos. Nessa fase, são inúmeros os casos de ansiedade e depressão, logo, torna-se preocupante pensar no idoso isolado socialmente, sem poder sair de casa, privado da liberdade e até da sua autonomia para fazer atividades cotidianas como ir ao mercado. O contato com a família e com os amigos através do ambiente virtual foi (e segue sendo) fundamental para que essa pessoa consiga passar por esse momento. Somando-se outros cuidados como tomar sol por 10 a 15 minutos diariamente, praticar exercícios como caminhadas pelo quintal, estruturar a rotina e testar novos hobbies (ou retomar antigos), é possível manter a saúde mental durante o isolamento.

 

Mas se o isolamento for demais e se aquele sonho de chegar lá ainda gera impulso no sentido do mundo do trabalho — ou se você for mais ousado e quiser deixar a sua marca — é preciso ter em mente que o mercado ainda precisa de você. Você que já utiliza as vagas de idoso no estacionamento ainda tem muito para oferecer para diversos tipos de empresas.

 

Dica de filme - Um Senhor Estagiário

Oportunidades para não desperdiçar

Empreendedorismo: a cultura empreendedora está aí para te atingir também. Vale a pena pensar em montar seu próprio negócio usando as habilidades e o conhecimento que adquiriu nos anos e trabalhos anteriores. Comece devagar. Pesquise sobre cursos para empreendedores, informe-se sobre núcleos existentes nas Associações  Comerciais, conheça o Centro de Inovação da sua cidade (caso haja), para ter novas ideias e aprimorar seu projeto inicial. Você ainda pode empreender com uma franquia ou transformar um hobby em uma fonte de renda.

 

Consultoria e mentoria: bastante ligado ao empreendedorismo, você pode transformar sua carreira ao prestar serviços de consultoria em áreas relacionadas às suas especialidades. Ao invés de pleitear um cargo administrativo em uma média ou grande empresa, ofereça o serviço de consultoria financeira, por exemplo. Vale destacar que para que esse trabalho dê certo, é importante ampliar continuamente a visão sobre o mundo dos negócios e ter uma mente inovadora para propor novas soluções. 

 

Age a dviser: a carreira que promete ser bastante procurada no futuro! Um “age dviser” é o profissional que orienta as relações entre grupos de diferentes idades e gerações dentro da empresa. Longe de ser uma babá dos jovens, seu papel é promover a colaboração e garantir um mix de gerações sadio dentro da instituição. É uma posição indicada se você tem um perfil conciliador e se está disposto a gerenciar pessoas.

 

Consultor em gestão da longevidade: indicado para quem gosta de resolver problemas e ajudar pessoas. Este é um profissional que oferece soluções ao identificar e dar o suporte para o desenvolvimento das pessoas e organizações, através de  estratégias, políticas e práticas mais adequadas ao contexto da economia da  longevidade. Para entender mais sobre o assunto, vale a pena conhecer o livro “Economia da Longevidade: o envelhecimento populacional muito além da previdência”.

 

Conselheiro de aposentadoria: não quer deixar os outros cometerem os mesmos erros que você ou seus amigos? Ajude as pessoas a planejar suas aposentadorias, preparando-as para gerenciar seus recursos para desfrutar de uma vida mais longa e permanecer ativos no mercado depois que a aposentadoria chegar.

 

Influenciador digital: com a busca das marcas por diversidade, essa pode ser uma área interessante para quem gosta de trabalhar com redes sociais e usar sua influência com o público. Os influencers prateados passaram a entrar no radar das marcas e do público ao compartilhar informações sobre viagens, receitas, organização pessoal, criação e  produção de eventos, entre outros temas.

 

Startups de nicho: a terceira idade é um nicho de mercado que vale a pena ser  explorado. Quem gosta de pensar fora da caixa, pode investir um pouco de tempo e conhecimento para criar produtos e serviços específicos para esse público e fomentar a criação de uma rede de relacionamentos que transpassa o isolamento social. Iniciativas como clubes de assinatura, grupos de passeios, entre outros, costumam agrupar idosos com interesses em comum e promover novos relacionamentos.

 

Escrita: que história você gostaria de contar ao mundo? Se você é um leitor de ficção, certamente já leu o suficiente para ter clareza de qual história está faltando na sua prateleira. É essa que você pode ser desafiado a escrever! E se você não costuma ler ficção, pense em qual ensinamento gostaria de dar ou que experiência considera importante dividir com o mundo. Existe público para ambos! Estas são apenas algumas das oportunidades que se abrem para o futuro. Qual delas você vai escolher?

 

 


Matérias Relacionadas
COMENTÁRIOS