Agro é top


Entre vários assuntos que ficam à disposição de quem escreve, a agricultura nunca foi a preferência. Por nada, nem por razão aparente nenhuma. Travava comigo mesmo estas competências, numa viagem que fiz a fronteira em busca de um bom vinho argentino no comércio de Bernardo Yrigoyen. Partindo de Chapecó, via 282, rumo ao grande Oeste, atingimos Pinhalzinho, um lugarejo que já está por ser um núcleo de desenvolvimento urbano e industrial: prédios altos, buraqueira na via, fumaça nas chaminés. Fizemos o desvio rumo a Modelo, em estrada estadual e fomos saindo do altiplano em direção ao Paraná. Estrada de segunda sem acostamento e muitas valetas feitas por tonelagens fora da lei das jamantas de cereais. Fomos vencendo a Serra Alta, Saltinho em subida progressiva e atingimos Campo-Ere, Palma Sola, Flor da Serra do Sul em terras de planalto, Paraná.

 

Deixamos para trás as inclinações e propriedades do que seria uma serra e os leitos de rios com pouca água. Passamos por pequenas propriedades, com gado leiteiro em piquetes de engorda de terneiros. Os capões de mato foram raleando à medida que conquistávamos o relevo acidentado, de variadas composições. De trecho em trechos apareciam grupos de araucárias, preservadas como folhagens de recordação dos tempos em que as florestas tinham a espécie monumental como cobertura. De repente, abriu-se uma clareira verde e imensa como a lâmina d’água de um mar de esmeraldas, dos dois lados da rodovia. O horizonte se perdia ao alcance da visão, num verde infinito. A terra coberta de aveia e outras pastagens de inverno, rasteiras como se não tivessem tido tempo de crescer suportavam o vendo e pisoteio do gado que se podia distinguir em espaços cercados à arame farpado. Podia-se divisar, de tempos em tempos, como uma lista desenhada entre a imensidão verde monótona, o verde mais escuro de restos da mata nativa que abraçavam nascentes e córregos de água, ainda pulsantes, dos rios do passado florestal.  Pouco mais adiante, comunidades de terceiros magros tosquiando a pastagem que, em seguida, seria deixada para maquinas agrícolas cobrirem o solo com o cal da correção ácido/básica, fertilização de produtos químicos para garantir a próxima safra de grãos que alimentará a pecuária nos confinamentos fazedores da proteína tipo exportação e as burras cheias dos bancos e dos proprietários, amantes do lucro.

Não consegui policiar a minha mente a aceitar como boa a agricultura que transformou o “homo” coletor, fazendo-o descer das árvores de onde tirava o alimento para sobreviver como espécie maior entre as maiores o “homo sapiens”, ao evoluir sobre as demais transformou o mundo dos homens num campo de conquistas tecnológicas e de transformações do planeta, agora sim, cheio de gente que precisa comer três vezes ao dia o alimento que não produz e que é feito da destruição das matas, do esgotamento dos rios e mananciais, do fogo por abaixo as florestas, do aumento das fronteiras agrícolas para terminarem em grãos, proteínas e lucro.

- Agora após o “Agro é Top”, o “Agro é Pop”, o “Agro é Tech” que passo dará o “homo sapiens”, a única espécie que pensa, planeja e executa o bem e o mal em nome da sobrevivência e do planeta? O “Agro é Zen”? Ou a vaca vai pro brejo e com ela o planeta!


COMENTÁRIOS